Programa Territórios Sustentáveis avança com sistema para monitorar unidades rurais

26/10/2021 18h07 Por ASCOM

Foi lançado nesta terça-feira (26) em São Félix do Xingu, no sul paraense, o AgroTag, um sistema para diagnóstico e monitoramento de unidades produtivas rurais visando a coleta de informações das áreas dentro da atuação integrada do Programa Territórios Sustentáveis, do governo estadual. A ferramenta foi especialmente customizada para o programa, como resultado da parceria entre o Governo do Pará e a Embrapa.

O ato de lançamento do sistema AgroTag ocorreu na chácara Vale da Bênção, distante 27km da sede do município, reunindo representantes e equipes técnicas da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Pesca (Sedap), Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Agência de Defesa Agropecuária do Estado (Adepará), Instituto de Desenvolvimento Florestal (Ideflor), e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado  do Pará (Emater-Pa).

“Nossos técnicos de ATER são o braço forte nesse processo de construção do Territórios Sustentáveis, por isso, nossa equipe vem participando com a capacitação, com testes, tudo o que puder subsidiar as ações do programa e para que seja consolidada essa iniciativa do governo estadual de recuperação das áreas degradadas”, afirmou Lana Reis, titular da Emater.

Com atividade principal de lavoura cacaueira, a chácara  Vale da Bênção é  propriedade do agricultor Elias de Almeida Filho, um dos beneficiários do programa no município.

Desde os anos 1980, a família de seu Elias está no local. Antes, a atividade econômica familiar era  pecuária com aptidão de corte. Desde 1990, a família conta com a orientação da Emater, tendo, obtido recurso do Programa Nacional de Fortalecimento a Agricultura Familiar (Pronaf) e mais recentemente, em julho deste ano, o Cadastro Ambiental Rural (CAR), documento de segurança jurídica da terra.

“O apoio da Emater é fundamental para nós, para nossa região. Com a assistência da equipe técnica, já elevamos a produtividade da cadeia produtiva do cacau em cerca de 80%”, disse o produtor familiar.

O intuito de seu Elias,  futuramente, é agregar novas atividades como a produção de açaí, pecuária leiteira e piscicultura, além do incremento na produção de cacau que é plantada em uma área de três alqueires.

De acordo com a responsável pelo TS na região,  Elizamar Pupio, atuam no programa 21 técnicos de ATER dos escritórios locais de Água Azul do norte, Ourilândia do Norte, Tucumã e São Félix do Xingu, desde 2020, executando ações de adequação das propriedades para a Regularização ambiental, Elaboração e implantação Plano de recuperação de áreas degradadas (Prada), assessoria à agroindústrias, orientação técnica ao manejo e implementação dos sistemas produtivos e gestão das propriedades  com foco em tecnologias Sustentáveis.

“Temos cadastrados 878 produtores como beneficiários do programa. Nessa etapa, 450 famílias  de São Félix do Xingu já estão na fase de planejamento sustentável da propriedade e de implantação de sistemas produtivos, que incluem os sistemas agroflorestais,  recuperação de pastagem degradada, capineiras, pastejo rotacionado melhoramento genético animal e  culturas anuais. Até o final do ano há uma meta de orientação para a implantação de 450 saf’s em áreas de passivo ambiental com foco na produção de cacau e sistema silvipastoril” , explicou a técnica da Emater.

A cultura do cacau, além de recuperação de passivo, agrega um retorno econômico ao produtor do campo. Ainda fazem parte das atividades da assistência técnica o acesso ao crédito rural e a orientação para verticalização da produção, para  a comercialização de queijos e polpas de frutas diversas.

“O Agrotag é um instrumento de informação, acesso a dados, monitoramento das propriedades e da produção,  e a nossa ideia é expandir o acesso à essa ferramenta”, disse Raul Protazio, da Semas.

Além do lançamento do AgroTag,  está sendo ministrada a segunda fase de capacitação, na modalidade presencial, para operacionalização da ferramenta, com a participação de 42 técnicos e extensionistas das secretarias e instituições parceiras da região.

Segundo a responsável pelo Sistema, Luciana Spinelli, da Embrapa, após período de ajuste e capacitação, o AgroTag já estará disponível em novembro. “O AgroTag já existe desde 2016, agora foi customizado para atender a demanda do Governo do Estado para atender o Territórios Sustentáveis, contribuindo para a coleta e acompanhamento dessas informações em uma plataforma única”, informou Luciana.

Veja Também