Governo defende economia verde para o desenvolvimento sustentável na Amazônia  

26/10/2021 09h34 Por ASCOM

Nesta segunda-feira (25), o governador Helder Barbalho discutiu os desafios do crescimento da Amazônia brasileira em evento do Instituto Brasil

Governador Helder Barbalho participa de evento online do Instituto Brasil e defende práticas da chamada economia verde. Foto: Pedro Guerreiro / Ag. Pará

O destino da Amazônia passou a definir a posição do Brasil no mundo e permeia os desafios das mudanças climáticas que requerem um esforço coordenado dos governos subnacionais. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) abre aos estados a oportunidade de “fazer parte da implementação dos compromissos de mitigação feitos em nível nacional e ir além dos compromissos atuais e aumentar a ambição”.

No Brasil, um ator central nesses debates tem sido o Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, formado por nove membros, que lançou recentemente um Plano de Reconstrução Verde Regional (Plano de Recuperação Verde) para a Amazônia, focado em uma estratégia de quatro partes para lidar com o desmatamento, desenvolvimento sustentável, tecnologia verde e infraestrutura.

Nesta segunda-feira (25), o Instituto Brasil sediou uma discussão sobre o papel dos governos estaduais no fortalecimento da conservação e caminhos para o desenvolvimento sustentável na Amazônia, com palestras do governador do Pará, Helder Barbalho, e do governador Flávio Dino, do Maranhão, seguidas por um painel de discussão sobre oportunidades e desafios para investimentos e crescimento sustentável na Amazônia brasileira.

Helder Barbalho: “É possível produzir e manter a floresta em pé”. Foto: Pedro Guerreiro / Ag. Pará

A Amazônia Legal é o lar de 30 milhões de brasileiros. Para manter a floresta em pé e garantir uma plataforma de novos negócios e investimentos para a população, o governador Helder Barbalho defendeu o aprofundamento dos pressupostos da chamada economia verde.

“É fundamental que nós possamos ter a compreensão de que, neste momento, temos que agir sob alguns ângulos. Temos atuado para produzir mais com o que já está consolidado, investindo em manejo, por exemplo, para que possamos demonstrar para quem produz que é possível manter a floresta em pé e produzir em escala maior”, disse o governador do Pará.

COMPROMISSO

O lançamento do PRV sinaliza que o compromisso do Consórcio de Governadores com o desenvolvimento da Amazônia é menos suscetível a variações políticas. A capacidade do Consórcio de reunir todos os atores políticos que representam as mais de 25 milhões de pessoas da região amazônica o diferencia de todas as instituições brasileiras.

“O Consórcio age em sintonia, e jamais em competição, com os Estados amazônicos. A força do grupo é a sua representatividade, complementaridade e agilidade que a Amazônia precisa”, ressaltou Helder.

BIOECONOMIA

O Estado do Pará vem somando esforços para garantir um desenvolvimento mais sustentável, visando também à racionalização dos recursos, para uma melhor mobilização da dinâmica da economia e buscando sempre a melhoria da qualidade de vida da população.

O governador Helder Barbalho declarou, durante o Fórum Mundial de Bioeconomia, realizado nos dias 18 a 20 de outubro, em Belém, que a estratégia estadual paraense de bioeconomia visa a apoiar soluções baseadas na natureza, bem como a agregar valor macroeconômico por meio de pesquisa, desenvolvimento e inovação, para gerar e/ou aprimorar produtos e processos sociais e organizacionais.

O resumo dos debates ocorridos no Fórum será levado para a COP 26. O objetivo é apresentar o Pará como pronto para receber investimentos, para interconectar pessoas e instituições, fazer parcerias público-privadas e implementar políticas públicas voltadas à política social e ao clima.

Veja Também