Operação Poseidon combate a pesca predatória no sudoeste paraense

raias img-20170523-wa0023 img-20170523-wa0013

Belém, 23/5/17 – A Polícia Civil do Pará e do Amazonas e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), em parceria com Secretaria da Fazenda, Delegacia do Meio Ambiente, Ministério Público e Receita Federal, deram início nesta terça-feira (23) à Operação Poseidon, levada aos municípios de Itaituba e Altamira,no sudoeste paraense, e à capital amazonense, Manaus. Deflagrada com o intuito de combater a pesca predatória e o tráfico de peixes ornamentais e arraias, a operação resultou na apreensão de quatro armas de fogo, dezenas de acaris e arraias, além da decretação de 20 prisões.

O gerente da Assessoria de Inteligência Corporativa, Francisco Barbosa, explicou que a operação foi montada a partir de denúncias recebidas na Secretaria de Meio Ambiente, que monitorou associações criminosas interestaduais especializadas na captura predatória de espécies nos rios amazônicos. Em geral, a rota do tráfico desses animais passa por Belém e Santarém, no Pará, seguindo por Manaus, no Amazonas. “As informações levantadas pela Semas foram repassadas à Polícia Civil dos dois estados, para que atuássemos em conjunto”, disse Barbosa.

O delegado Marcos Mileo, que coordenou a ação, reiterou que a investigação foi multidisciplinar, englobando órgãos estaduais, federais e do Judiciário. “A partir da análise dos dados identificamos as associações criminosas responsáveis pela comercialização ilegal dessas espécies. Os peixes ornamentais e as arraias atingem valores significativos no mercado internacional, para fins de ornamentação e biopirataria. As irregularidades passam pela pesca predatória e o transporte inadequado dos animais, visto que são conduzidos em meios inapropriados, com quantidade limitada de água e oxigênio. É comum as espécies não sobreviverem”, explica. Mileo destaca ainda a importância do apoio prestado pelas equipes da Dema, sob o comando do delegado Vicente Costa e Marco Antônio Silva, da Superintendência da Polícia Civil em Altamira, cujo comando foi do delegado Vinícius Dias e, em Itaituba, com o comando do delegado Vicente Gomes.

De acordo com a Polícia Civil, além do tráfico de animais e da biopirataria, há outro crime envolvido nessa atividade, que é a lavagem de dinheiro, uma vez que os valores recebidos pelos traficantes são reinvestidos em empresas aparentemente lícitas. Em junho de 2016, a operção integrada “Safe River”, que mobilizou as polícias Civil e Militar, Semas e Ministério Público Federal, resultou na apreensão de 58 arraias do tipo Jabota, cuja comercialização é proibida, e mais de 400 acaris. Na ocasião, cinco pessoas foram presas no aeroporto de Santarém quando tentavam embarcar para Manaus transportando os animais em malas.

Ascom Semas

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade
Travessa Lomas Valentinas, 2717, CEP: 66093-677. Belém/Pará