Dia da Amazônia é comemorado com discussão ambiental contida na Encíclica Papal

sec red publico red DSC_0596

Belém (04/09/15) – O Dia da Amazônia, comemorado dia 05 de setembro, foi celebrado com discussão em Seminário intitulado Amazônia Sustentável nesta sexta-feira, 04, no auditório David Mufarrej, na Universidade da Amazônia. Os debates se basearam na Carta Encíclica “Laudato Si – Cuidando da Casa Comum”, publicada pelo Papa Francisco. O evento foi promovido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), com apoio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Escola Superior de Advocacia (ESA), Universidade da Amazônia (Unama) e Comissão de Meio Ambiente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-PA).

Durante o Seminário, o titular da Semas, Luiz Fernandes Rocha, comentou os reflexos da questão ambiental que recaí na segurança pública. “É muito interessante o conteúdo da encíclica, visto que nos chama à nossa responsabilidade. Temos muito discurso e falta ação, efetividade para resolver o problema da desigualdade social, por exemplo. O Governo do Estado tem trabalhado muito nisso, porque caso não resolvamos a pobreza e desigualdade, não resolveremos o restante. Nossa atuação tem sido investir na desconcentração e descentralização da gestão ambiental, para que os municípios façam sua própria gestão, além de ações de comando e controle, para autuar os responsáveis pelo desmatamento. Por outro lado, apoiamos aqueles que têm mantido a floresta em pé”, destacou.

O padre Idamor Mota Junior, da Arquidiocese de Belém, representando o arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira, fez uma apresentação sobre a Encíclica Papal, que traz a reflexão sobre a responsabilidade que cada ser humano tem pelo planeta, que segundo destaca, está se deteriorando por causa do próprio homem. Assuntos interligados ao tema meio ambiente como paz, justiça social, família e respeito à criação são amplamente observados na Carta. “À vista da deterioração do ambiente, quero dirigir-me a cada pessoa que habilita neste planeta”, diz trecho da publicação, e ainda “Não só lembrar o dever de cuidar da natureza, mas também e, sobretudo, proteger o homem da destruição de si mesmo… lanço um convite urgente a renovar o diálogo sobre a maneira como estamos construindo o futuro do planeta”.

O Papa Francisco, nesta Encíclica, reforça a importância de serem discutidas questões como poluição, resíduos e cultura do descarte. Ele critica a sociedade consumista, que compra mais do que precisa e não faz reuso do que já possui. Ele fala da perda da biodiversidade, perda das espécies, o que traz desequilíbrio ao meio, trazendo o que chamamos de mudanças climáticas. Sobre isso, o padre acrescentou que muitos podem achar que é uma realidade distante, mas já é perceptível do Norte ao Sul do país. “A população do Rio Grande do Sul presenciou tornado, e nós de Belém não temos mais as chuvas da tarde, que agora, não tem mais dia e horário”, exemplificou. Por fim, o arquidiocesano resumiu as propostas da Carta, que fala de superação de paradigmas tecnológicos; de uma corajosa revolução cultural, com ações sustentáveis, tendo duas cautelas em vista: não voltar à Idade da Pedra nem priorizar o antropocentrismo desordenado ou biocentrismo, mas mudar através da espiritualidade e de um estilo de vida diferente.

 

Ascom Semas

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade
Travessa Lomas Valentinas, 2717, CEP: 66093-677. Belém/Pará