Semas encontra boas práticas de pesca em Santarém, Curuá e Monte Alegre

Belém, 10/6/15 – Para impedir atividades ilegais ligadas à pesca predatória, caça ilegal e outros ilícitos ambientais, uma equipe da Gerência de Fauna e Pesca da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) foi até os municípios de Santarém, Curuá e Monte Alegre para fiscalizar pescadores e comercializantes durante a primeira semana de junho. A ação foi bem sucedida e não foi identificado nenhum tipo de crime, conforme explica David Luz, coordenador da atividade, “a fiscalização foi feita e muitos pescadores e comerciantes foram fiscalizados e podemos afirmar que tivemos uma grata surpresa: pessoas trabalhando dentro da legalidade, com instrumentos regularizados e licenças em dia”, comemora.

Geralmente, durante as fiscalizações são apreendidas malhadeiras – redes de pesca comuns na região amazônica – principal equipamento utilizado ilegalmente em épocas de proteção da reprodução das espécies. As maiores fiscalizações são realizadas no período do Defeso do pescado e do caranguejo, no início do ano (normalmente em datas específicas entre janeiro e março), e outras menores são feitas ao longo do ano com abordagens a pescadores para esclarecer as datas de proibição e as espécies a serem respeitadas. “Só é autorizada a utilização de vara de pesca, linhas de mão e anzóis. Outro tipo de apetrecho está proibido neste período”, explica Luz.

Em relação ao caranguejo, os próximos meses estão liberados para captura, transporte e consumo, período que coincide com a chegada do verão no Estado – época em que a procura pelo caranguejo aumenta –, diferente do que ocorre no início do ano, quando a fiscalização é mais necessária por conta do período reprodutivo da espécie, conhecido como “andada”, época em que os caranguejos machos e fêmeas saem de suas galerias – tocas – e andam pelo manguezal, para acasalamento e liberação de ovos, quando ficam vulneráveis e são presas fáceis para captura.

Outro importante período a ser observado é o de reprodução dos quelônios (tartarugas, tracajás e outros bichos da espécie), que ocorre a partir da segunda quinzena de julho. Nessa época, a Semas faz fiscalização para impedir a captura dos animais e dos ovos, principalmente no Tabuleiro do Embaubal, no município de Senador José Porfírio, onde muitas tartarugas desovam todos os anos. As tartarugas geralmente são encontradas no rio chamado “Poço de Lama”, que é uma porção do rio principal, de maior profundidade do Xingu, onde há grande concentração de matéria orgânica. Elas ficam nesse local para fazer o assoalhamento (subir à superfície para se aquecer ao sol). A fêmea só sai à terra para reproduzir e os machos nunca saem do rio. Depois que nascem, só aparecem na superfície para pegar sol.

Ascom Semas

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade
Travessa Lomas Valentinas, 2717, CEP: 66093-677. Belém/Pará