Caravana busca memória da guerrilha do Araguaia em Área de Proteção Ambiental

morador relatando sobre guerrilha Aspecto do local onde ocorreu a mesa redonda 3

Belém, 25/4/14 – A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), por meio da gerência do Parque Estadual Serra das Andorinhas (Pesam), deu apoio à Caravana do Araguaia que traz como tema “As lutas que construíram o Brasil: da Coluna Prestes à Guerrilha do Araguaia”, composta por estudantes de cursos superiores, ensino médio, professores universitários e outros profissionais de diversos segmentos da sociedade. O grupo visitou a Vila Santa Cruz dos Martírios, no interior da Área de Proteção Ambiental (APA) Araguaia, em São Geraldo do Araguaia, sudoeste paraense.

Formada por cerca de 60 pessoas, a expedição debateu desde influência da povoação até os recentes impactos ambientais causados pela ação humana na região. AVila Santa Cruz dos Martírios, por se localizar numa região de mata densa, foi um dos locais estratégicos escolhidos pelos guerrilheiros para montar base da Guerrilha do Araguaia, ocorrida entre 1968 e 1974

De acordo com a historiadora Larissa Nishijima, uma das organizadoras do movimento, a caravana traz como foco a memória das lutas sociais ocorridas no País. “A Caravana é composta por pessoas de 12 estados, que comemoram os trinta anos do Centro de Estudos e Memória da Juventude (CEMJ); e tem o propósito de relembrar dois momentos históricos que ajudaram na construção democrática do país: a Coluna Prestes (1925 a 1927) e a Guerrilha do Araguaia, iniciada no final de década de 60”, enfatizou.

Durante a visita, os expedicionários entrevistaram moradores da comunidade, exibiram vídeo-documentário sobre a Guerrilha do Araguaia e fizeram palestras sobre o assunto. “Fomos muito aterrorizados durante a guerrilha. Vivemos momentos de muita tensão. Não tínhamos privacidade nem dentro de casa. Para o exército, éramos todos suspeitos de ajudar os guerrilheiros. Muitas vezes, os militares passavam com pai de família amarrado na frente das crianças”, relembrou Raimundo Nonato Pereira dos Santos.

“Foi emocionante percorrer lugares tão lindos, principalmente sabendo da importância histórica da região”, disse Ives de Lima, diante da paisagem montanhosa do Parque ecológico.

No pátio da escola da Vila, uma mesa-redonda composta pelo gerente do Parque Serra das Andorinhas, Abel Pojo, o professor da Rede de Educação Pública Estadual do Tocantins, Paulo César Lucena e o militante da União da Juventude Socialista, professor Matheus Lins,tratou sobre migração na região na década de 70, topografia, fauna, flora, geologia; o homem amazônico e suas características, relações de trabalho, presença do Estado, histórico político da região e a relação dos guerrilheiros do Araguaia com os moradores da Vila.

Durante debate, Abel Pojo falou entre outros pontos sobre as ações desenvolvidas pela Sema na área protegida. Para ele, a iniciativa da caravana é de grande importância para valorizar o histórico da região. “Durante os debates os participantes perceberam que preservar o meio ambiente é também preservar a memória do território”, ressalta.

O professor Paulo Lucena fez um resgate histórico da luta armada na região e descreveu episódios de tortura contados por moradores da região envolvendo moradores, guerrilheiros e militares do Exército Brasileiro durante os seis anos de luta armada. “Espero que os assuntos tratados sirvam de motivação para os estudantes desta comunidade continuarem lutando por seus ideais de forma justa e igualitária”, estimulou o educador.

Matheus Lins falou sobre a importância da militância de classe para o fortalecimento da política pública no País. “A Guerrilha do Araguaia representa o envolvimento da juventude em busca de mudança social no Brasil”, alertou o historiador, elogiando a coragem dos moradores da Vila Santa Cruz dos Martírios.

A caravana faz parte de um projeto de formação da União da Juventude Socialista (UJS) em parceria com o Centro de Estudos e Memória da Juventude (CEMJ), e a Fundação Maurício Grabois, que consiste em realizar atividades nos locais onde aconteceram as principais lutas populares do Brasil.

Coluna Prestes e Guerrilha do Araguaia – A Coluna Prestes foi um movimento político-militar brasileiro existente entre 1922 e 1953 ligado ao tenentismo, de insatisfação com a República Velha, exigência do voto secreto, defesa do ensino público e a obrigatoriedade do ensino secundário para toda população.

A guerrilha do Araguaia foi um movimento guerrilheiro existente na região amazônica brasileira, ao longo do rio Araguaia, entre fins da década de 1960 e a primeira metade da década de 1970. Criada pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), com objetivo fomentar uma revolução socialista, a ser iniciada no campo, baseada na Revolução Cubana e na Revolução Chinesa.

Texto e fotos: Nilson Amaral

Ascom Sema

(91) 3184 3341

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade
Travessa Lomas Valentinas, 2717, CEP: 66093-677. Belém/Pará