Sema e Polícia Federal apuram fraude na comercialização e transporte de madeiras

foto01         foto02

Belém, 06/11/13 – A primeira parte da ação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) em parceria com a Polícia Federal (PF) para investigar fraudes no Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora), gerenciado pela própria Secretaria no Pará, foi concluída nesta quarta-feira (6). Um dos resultados foi a condução coercitiva de um servidor da área de tecnologia da Sema para depoimento na sede da PF e a paralisação de todos os serviços de comércio e transporte de produtos florestais na Sema até a perícia da Polícia concluir o trabalho de coleta de dados das operações realizadas no Sisflora.

O servidor é suspeito de ter instalado um captador de senhas no computador da gerente de gestão florestal da Sema – a responsável por movimentações de créditos de madeira no Sisflora – o que permitiu que créditos de madeira em tora de determinadas empresas do Oeste do Pará fossem transformados em créditos de madeira serrada, o que aumentava o volume de produtos florestais comercializáveis e permitiam que créditos virtuais fossem utilizados para acobertar madeira explorada de áreas não autorizadas ou de desmatamentos em áreas protegidas do Estado.

Essa ação, dentro das atividades da Polícia Federal, foi incluída na Operação Térmita II, iniciada há um ano, para investigar grupos formados por empresas e servidores públicos envolvidos em fraudar documentos para comercializar produtos florestais de origem ilegal em todo o país. O dano ambiental está avaliado em cerca de R$ 2 bilhões.

A denúncia partiu da gerente do Sisflora, que ao fazer seu relatório diário, percebeu a movimentação de créditos no sistema que, apesar de não ter sido feita por ela, foi acessado através da senha dela. Ao detectar a fraude, a servidora fez comunicação à Corregedoria Ambiental do órgão, que repassou as informações à Polícia Federal. Há indícios de que um segundo servidor da Sema esteja envolvido na fraude, e ele também está sendo investigado pela PF.

As informações sobre este assunto foram esclarecidas pelo secretário adjunto da Sema, Hildemberg Cruz, em entrevista coletiva na sede da Polícia Federal, com a presença da corregedora ambiental da Secretaria, Rosângela Wanzeller; do coordenador jurídico da Sema, Thalles Belo; do chefe da Delegacia de Combate de Crimes Ambientais, Décio Ferreira; do chefe de Delegacia de Combate ao Crime Organizado, Uálame Machado; e do superintendente regional da Polícia Federal no Pará, Valdison Rabelo.

Na operação, foram cumpridos 44 mandados, deferidos pela 9ª Vara Federal de Belém/PA, especializada em crimes ambientais, sendo sete preventivas, 16 conduções coercitivas e 21 de busca e apreensão em sedes de madeireiras e residências dos investigados nos municípios paraenses de Belém, Altamira, Itaituba, Santarém e Alenquer, além de cidades de Minas Gerais e Mato Grosso.

Os investigados serão indiciados pelas práticas de crimes ambientais, formação de quadrilha, corrupção ativa e concussão. Dentre os alvos da operação estão além dos dois funcionários da Sema, três servidores da Secretaria de Estado da Fazenda do Pará (Sefa), e empresários do ramo madeireiro.

Ascom Sema

(91) 3184-3341

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade
Travessa Lomas Valentinas, 2717, CEP: 66093-677. Belém/Pará