Sema na luta contra o tabagismo

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) realizou, no final de junho, no auditório da Sema, palestra contra o tabagismo.
A iniciativa é parte do processo de valorização da saúde do trabalhador, uma forma de repensar a qualidade de vida na Secretaria, segundo proposta da servidora da Sema, a enfermeira do trabalho, Onila Ribeiro da Costa.

Raquel dos Anjos (Sespa) explica os perigos do cigarro aos servidores da Sema

Antes da palestra, Onila lembrou aos servidores, por meio da Intranet, que o dia 31 de maio era o Dia Mundial do Combate ao Tabagismo.
“Todo servidor que entrou na internet se deparou com o aviso. Fumantes e não-fumantes. Estabelecemos uma campanha educativa de promoção à saúde em datas pontuais e o dia 31 de maio foi uma delas”, disse Onila.

 A palestrante, a Coordenadora do Programa Estadual de Controle do Tabagismo da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sespa), Raquel dos Anjos, explicou, em números, as vítimas do cigarro “O cigarro é responsável por matar  5 milhões por ano no mundo, 24  a cada hora no Brasil e 7  por dia somente de fumantes passivos”, alarmou.

Dos Anjos demonstrou que fumar gera prejuízos não só para a saúde, mas também para a economia “Tratar adequadamente pacientes com câncer no pulmão ainda é muito caro. Um custo para a saúde que pode ser evitado”, explicou.

A falta de recursos para tratar os pacientes foi um dos motivos que fez com que o Ministério da Saúde aderisse a campanhas mais fortes para desestimular o uso do cigarro. As fotos estampadas nas carteiras de cigarro retratam conseqüências terríveis vividas por alguns fumantes. Infarto, derrame, gangrena, impotência sexual, envelhecimento precoce e até a morte, são alguns exemplos.

Parar de fumar não é fácil, mas para quem não tem condições de custear seu próprio tratamento, o Estado disponibiliza, desde 2004, um tratamento gratuito no Centro Estadual de Referência Especializado no Tratamento do Fumante.No entanto, a adesão ao tratamento depende da inteira vontade do paciente “Comprovadamente, 80% dos fumantes querem largar o cigarro, mas não conseguem parar sozinhos por causa da dependência. De nada adianta parentes, cônjuge ou amigos interferirem na decisão de iniciar o tratamento, é preciso respeitar a vontade do fumante”, revelou Raquel.

O dependente precisa de ajuda, sem imposições. “As pessoas podem ajudar o dependente de diversas formas, mas nunca com pressão. Por exemplo, se o fumante se deparar, no trabalho, com cartazes antifumo colocados em locais estratégicos, de grandes fluxos, aos poucos vai haver uma sensibilização”, deduziu a Coordenadora.

Alguns departamentos das empresas também podem utilizar estratégias sutis para sensibilizar o fumante “Escrever mensagens no contracheque é uma forma suave de iniciar a reflexão do fumante”, lembrou Raquel.

O Poder Público também ajuda, ao fiscalizar o cumprimento da lei que proíbe o cigarro em ambientes fechados. Com a vantagem de que é possível criar leis estaduais e municipais, em cima da lei Federal. Adesivos devem ser afixados nos estabelecimentos públicos estaduais para sinalizar a proibição de fumar “A lei estadual disciplina fumantes. É um excelente instrumento para ajudar e educar”, revelou Raquel.

Para intensificar a proibição do cigarro e garantir o cumprimento da lei, a vigilância sanitária de algumas cidades do Pará recebeu uma capacitação, em 2008, para que houvesse rigor na fiscalização nos locais em que o cigarro é proibido.Em alguns municípios, implantou-se um disque-denúncia para que as pessoas pudessem denunciar os estabelecimentos que não respeitassem a lei.

Já nas repartições públicas, a autoridade maior deverá estabelecer uma portaria interna para proibir o uso de cigarro em determinados locais e definir os chamados "fumódromos". Essa chamada “lei interna” facilita a fiscalização por não-fumantes, colegas de trabalho.
“Ás vezes, a pessoa acende um cigarro sem perceber , por puro condicionamento, nesses casos, o colega estará alerta para lembrá-lo de que fumar ali é proibido. Aos poucos, o gesto de evitar o cigarro nos locais proibidos será automático”, finalizou a Coordenadora.

Tratamento – Centro Estadual de Referência Especializado em Tratamento do Fumante. Av. Presidente Vargas, 513, próximo à rua Osvaldo Cruz.
Horário de funcionamento: de 8 às 12h
Fone: 3242-5645.
Disque Pare de Fumar: 08007037033

Ascom/Sema

 

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade
Travessa Lomas Valentinas, 2717, CEP: 66093-677. Belém/Pará